Paço dos Condes de Tentúgal – Portugal

4.894

Hoje queremos aqui divulgar um edifício com uma elevada carga histórica e arquitectónica. Este lugar esquecido é conhecido por diversos nomes ou designações locais: “Paços dos Condes de Tentúgal”, “Paço dos Duques do Cadaval”, “Paço do Infante D. Pedro” ou “Quinta do Paço”.

Na sua beleza, encanto e história temos o prazer de divulgar um edifício de estilo Gótico que apesar de não estar bem conservado, ainda mantém algumas características interessantes. Inclui no recinto o que resta de uma capela e de um celeiro. Foi pertença de algumas personalidades importantes da história do nosso país e agora serve de curral para gado ovino e/ou caprino.

No interior do Paço dos Condes de Tentúgal podemos apreciar sinais de que foram iniciados alguns restauros, denota-se que há paredes cimentadas, porém pouco foi feito e acabou por ficar ao abandono. Situado numa zona rural e agrícola, encontra-se escondido dos acessos principais, o que faz com que ajude ao seu esquecimento.

Fotos do Paço dos Condes de Tentúgal tiradas pelos Caça devolutos:

Um pouco de História sobre este lugar esquecido:

O Paço de Tentúgal foi doado em 1413 por D. João I ao Infante D. Pedro, que em 1417 obteve a jurisdição da vila, promovendo posteriormente grandes obras no paço, atribuídas ao mestre Estevão Gomes, onde mandou erigir uma capela, e patrocinando na mesma época a construção da igreja matriz.
Embora se encontre presentemente em ruínas, ainda se distingue a estrutura gótica do paço, com corpos salientes pontuados pela disposição das aberturas e sobretudo pelas chaminés altas que coroam o edifício.

O portal principal do paço apresenta um modelo muito semelhante ao que foi edificado na Igreja matriz de Tentúgal. O pátio é formado por um conjunto de arcadas e os capitéis aqui colocados, bem como os que suportam os arcos da varanda e do piso térreo, apresentam-se decorados com folhagens e motivos de inspiração andaluza.

O celeiro da casa, cuja cobertura já não existe, foi construído no século XVI, possuindo um portal de gosto renascentista e o espaço interior dividido em três naves, marcadas por colunas dóricas nas quais assentam arcos de volta perfeita, numa tipologia pouco comum em obras de carácter agrícola.
No primeiro quartel do século XVIII havia já notícia de que o edifício se encontrava em ruínas, sendo incendiado cerca de cem anos depois, durante as Lutas Liberais.

Catarina Oliveira
IPPAR/Novembro de 2006

Fonte: http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/

você pode gostar também Mais do autor

forbrukslån tilbud | forbrukslån refinansiering | forbrukslån hvor mye